Blog do FM

Topo
Frequência Modulada

Frequência Modulada

Resenhando: Kamaal the Abstract, de Q-Tip

Frequência Modulada

06/08/2019 12h44

Perto dos seus primeiro 10 anos, Kamaal The Abstract é mais uma peça do clube de álbuns que foram para a gaveta e ainda assim exercem uma certa mística em fãs sedentos por boa música. Idealizado por Q-Tip logo após sua estreia solo, Amplified, o disco tinha o nome original de Abstractions, mas não viu a luz do dia porque foi considerado pela então gravadora de Tip, Arista, de pouco apelo comercial. Foi necessário o sucesso de The Renaissance em 2008, para criar uma cama de recepção boa para que o terceiro trabalho solo do líder de A Tribe Called Quest chegasse oficialmente às ruas.

 

Por um lado, a Arista tinha razão em não achar muito apelo comercial no disco. Por outro prisma, é notório que capacidade de vender não é sinônimo de boa música – e o mar de artistas da cena alternativa é um bom indicativo disso. Kamaal The Abstract é exatamente o que o título sugere: uma abstração de Q-Tip, que mostra mais uma vez sua intimidade com a produção. Depois de inovar com o jazz-rap no ATCQ, ele criou um álbum massivamente divulgado na época, apostando bastante na instrumentação – toda conduzida por ele, importante registrar.

A direção que Tip dá ao álbum mostra duas outras facetas daquele conhecido originalmente como rapper. A primeira, de instrumentista, certamente pega muitos fãs de surpresa e mostra que Kamaal tem uma relevância na cena muito maior do que parece. O outro lado é o de cantor, o que digamos que não seja exatamente o ponto forte de Tip, mas que acaba servindo perfeitamente ao propósito do disco. Estes dois ingredientes alcançam o mesmo nível de proeminência das rimas, apenas eventuais neste disco.

O resultado de toda essa abordagem são faixas cheias de suíngue, com longos solos instrumentais e uma levada jazzy bastante influente na construção das batidas. A extensa "Do U Dig U?" é talvez o melhor exemplo, com participação dos instrumentistas Gary Thomas (saxofonista dos brabos, trabalhou com Miles e John Coltrane, somente) e Kurt Rosenwinkel (guitarrista que já acompanhou dentre vários nomes, Wax Poetic e Eric Clapton) provendo o background para a cantoria arrastada de Tip. As coisas ficam mais agitadas e dançantes em "Barely in Love", possivelmente a melhor performance vocal do disco, com percussões latinas dando o ritmo da faixa, que ainda conta com um solo de guitarra. "Abstractisms" é a parte mais rap do trabalho, com Tip mandando dois versos sobre o sax de Kenny Garrett.

 

Com tanta atenção à musicalidade, as letras acabam não sendo o carro-chefe do álbum. Ainda assim, Kamaal tem tempo para contar as agruras de uma jovem mãe para sobreviver e dar um bom futuro para a filha: "Ela trabalha no Mc Donald's das 9h às 17h, no Wall Mart das 18h às 22h / economizando o que pode para a escola, sua garota está indo bem". A temática, inclusive, parece ligeiramente voltada para o sexo feminino, algo recorrente em Q-Tip desde os tempos de "Bonita Applebum". "Barely in Love", por exemplo, é um conto ao estilo Bonnie & Clyde.

No fim das contas, Kamaal The Abstract é um álbum que nem deve ser classificado somente no gênero rap. Soa mais como uma espécie de hip hop progressivo, uma confluência entre o ritmo e a poesia das ruas com a elegância do jazz, numa nova classificação. A ousadia de Tip em misturar tantas referências de uma forma não clichê acaba enriquecendo bastante o resultado, e deixando um legado a ser explorado para os novos arquitetos da música negra. Talvez este disco seja apenas um primeiro passo, um teste de laboratório para algo ainda maior sendo preparado nas esquinas do Queens, em Nova York. Mais uma cortesia de Jonathan Davis a.k.a. Kamaal.

Sobre os autores

Fabio Lafa escreve textos, podcaster, pesquisador musical e consultor em music branding.

Nyack é Dj, pesquisador musical e beatmaker.

Juliano BigBoss é estudioso do marcado do rap, pesquisador, produtor artístico e executivo.

Sobre o blog

Papo semanal e bem descontraído sobre os ritmos que movem cidades. Dicas e mapeamento de cenários musicais - clássicos e emergentes, do analógico ao eletrônico.