Blog do FM

Topo
Frequência Modulada

Frequência Modulada

Pra meter dança, vamos entender melhor o tal Afrowave

Frequência Modulada

15/01/2019 20h11

Uma onda de ritmos africanos tomou total conta dos nossos ouvidos em 2018 e aparentemente vai continuar. Vamos entender melhor o tal afrowave.

Aqui no Brasil, nós já gostamos e talvez nos confundamos quanto a nomes. Nas festas de música preta, já algo esperado para o momento de suar legal na pista. Alguns artistas já atentos a isso, exemplo mais forte o Rincón Sapiência, o exercitam bem.

Nas grandes capitais do mundo como Nova York e Londres, a conversa é bem mais aquecida, até pela quantidade de imigrantes que esses países receberam dá mais densidade e quantidade de artistas já com agendas locais e globais como Skepta, J Hus, Wizkid, A-Star. Separamos alguns trechos interessantes de uma matéria que saiu na britânica Dazed Digital sobre o processo que rolou lá:

 Cerca de cinco anos atrás, a mídia britânica se colocou em frenesi quando foi anunciado que o Cockney – um antiquado sobretudo tradicional dialeto em Londres – estava entrando em seus últimos dias, para ser substituído pelo Multicultural London English (MLE). Hoje, o MLE é o som da juventude na cidade, uma mistura vocal do passado da capital e do presente diverso. Não é só se enveredar por algumas gírias, mas a articulação sem esforço e subconsciente dos sons das Índias Ocidentais (compreendidos a partir daqui as regiões do Caribe e suas ilhas, ok?), da África e do Sul da Ásia produz uma voz híbrida, nascida e crescida ali.

Previsivelmente, a música que sai da cidade começou a contar a mesma história. No ano passado, as paradas britânicas foram dominadas por músicas com um sabor da África Ocidental e do Caribe. Não é bem o Afrobeats vindo da África Ocidental se tornando global, nem é bashment (outro nome do que basicamente conhecemos por reggae dancehall por aqui), mesmo que algumas de suas melodias e ritmos tenham sons vindos da Jamaica. Alguns a chamam de afrobashment, afrowave ou afroswing. Muito parecido com os bons tempos do grime (ritmo musical misturando o rap americano com influências jamaicanas e caribenhas, propriamente trazida pelos imigrantes), quando Wiley bateu "Wot Do U Call it?", ainda não há um nome que tenha pegado – mas a cena está envolvendo e evoluindo. 

Martin Connor é especialista em análise de rap e melodias vocais, tendo trabalhado com Vox em uma série de vídeos impressionantes que quebram estilos como o triplet flow (construção de rimas com 3 MCs se complementando, como o Migos faz) no American trap rap. Ele escutou uma seleção do maior artista do Reino Unido no momento – cantores como Raye e Mabel, rappers como Stefflon Don e J Hus, e além – e os comparou a seus pares em todo o mundo. "Enquanto as músicas são tecnicamente em 4/4, o que você vai ouvir repetidas vezes é esse padrão recorrente, composto por três notas que ainda são repetidas no quadro de uma assinatura de tempo 4/4", explica ele. "Você pode ouvir as inspirações da música jamaicana no ritmo, exceto que a música jamaicana não tem um baixo e a caixa – isso é hip hop, isso é rap tradicional. Então, essa é a tradução de culturas acontecendo sutilmente na instrumentação. No entanto, ainda tem uma sensibilidade de hip hop em termos de foco lírico e vídeos de música: carros, dinheiro, autenticidade, o lance de 'parecer durão'. "Isso, combinado com melodias africanas e percussão, dá a você aquela cena mesclada."

Considerando que algumas das comunidades negras mais antigas da Grã-Bretanha são as Índias Ocidentais e foram instaladas aqui desde a era Windrush, brincar com os sons caribenhos não é particularmente novo. Também tem havido muitas críticas do persistente empréstimo dos sons do Caribe sem crédito para aqueles que realmente empurraram a cena para a frente. O que é novo é uma evidente presença da África Ocidental nas paradas britânicas – alguns anos atrás, seria difícil encontrar o pidgin inglês em um disco pop. Isto está indubitavelmente ligado à crescente presença de negros africanos britânicos nas cidades da Grã-Bretanha em geral. Em Londres, por exemplo, o número de pessoas que se identificou com esses índices aumentou mais de 50% entre 2001 e o último censo nacional em 2011. Como a comunidade negra que mais cresce no centro cultural do Reino Unido, é claro que eles estão fazendo suas vozes ouvidas.

O crescente sentimento de orgulho na herança da África Ocidental – que a maioria dessas estrelas de fuga compartilha – também é contribuído por modelos positivos aqui que vieram antes deles, como os pesos pesados ​​da Skepta e da Afrobeat como Davido e Wizkid em casa. Wizkid está trazendo Afrobeats para Londres neste fim de semana para continuar seu relacionamento com o público britânico, e entramos em contato enquanto ele planeja seu festival em ambiente fechado. "Quando conversei com a minha equipe sobre a organização de um festival, o objetivo era basicamente impulsionar um pouco mais a cultura do movimento afro-beat", diz ele. "Temos muitos artistas incríveis na África, então eu preciso ter certeza de que temos uma plataforma onde possamos alcançar todos os nossos fãs em uma sala. Imagine ter 20.000 fãs de artistas da Afrobeats aqui – a energia é inexplicável. Eu só quero forçar essa união e deixar que todos vejam que a boa vida nigeriana continua em casa. "

Na Nigéria, a indústria Afrobeats está crescendo. As vendas foram de US$ 56 milhões em 2015, e a previsão é de crescimento para US$ 88 milhões em 2019, de acordo com a PwC. Wizkid é um dos maiores artistas do país e alcançou o topo das paradas dos EUA e do Reino Unido depois de colaborar com Drake para o megahit One Dance, provando que as colaborações podem ter um som global. Agora ele está de olho em artistas do Reino Unido para se juntar. "Eu estive no estúdio com todo mundo cara, todo mundo é meu amigo", diz ele. "Eu amo eles, eles são incríveis – um salve para Giggs, Skepta, a lista é tão longa. Nós sempre conversamos, e todos têm o mesmo objetivo – sempre precisamos preencher lacunas e colaborar quando pudermos e apoiarmos uns aos outros. Essa é a minha alegria.

"Fazer músicas e estar em um ambiente ruim, como eu cresci no leste de Londres, você apenas procura bons sentimentos saindo dessa luta. Essas músicas só fazem você se sentir bem onde quer que esteja "- Kojo Funds

Em abril, vi em primeira mão a rede quase constante entre a nova geração de artistas do Reino Unido e os pesos pesados ​​da Afrobeats que sentiram o movimento acontecendo. Para fortalecer o alcance coletivo em ambos os lados da lagoa, Boy Better Know organizou o festival Homecoming em Lagos. Então, enquanto estava preso no trânsito durante a hora do rush da cidade, a gerente de Mabel, Radha Medar, falou conosco sobre a cena por trás dos bastidores. Para ela, o truque para ter poder de permanência em talentos e gêneros emergentes é ser apoiado por uma comunidade de pessoas e, no momento, é isso que os jovens querem ouvir.

"Com Mabel, 'Finders Keepers' existia antes de eu começar a trabalhar com ela – mas ninguém tinha marcado o impacto que seria", diz ela. "Quando ouvi isso, eu instantaneamente pensei que se encaixava com o que está acontecendo agora." Como a filha mais nova do ícone pop Neneh Cherry e Cameron McVey, o cantor já representava uma rica mistura de culturas.

O Afrowave vem cruzando barreiras além de ser agradável aos ouvidos. Enquanto o pop demora a se recuperar de uma crise de identidade, esses artistas, aqui e lá fora de beneficiam de conversas aquecidas entre as comunidades que formam a diáspora africana mundo afora e apresentam trabalhos profundamente embasados em origens, a ponto de o funk feito nas grandes capitais brasileiras também ficar atento e beber dessa fonte. Claro que ao falarmos em sons que embalam o verão nós aqui no Brasil temos uma profundidade enorme para falar, mas vendo nossos vizinhos da América Central ta aí algo bem legal pra ouvir – mesmo depois do carnaval. 

Sobre os autores

Fabio Lafa escreve textos, podcaster, pesquisador musical e consultor em music branding.

Nyack é Dj, pesquisador musical e beatmaker.

Juliano BigBoss é estudioso do marcado do rap, pesquisador, produtor artístico e executivo.

Sobre o blog

Papo semanal e bem descontraído sobre os ritmos que movem cidades. Dicas e mapeamento de cenários musicais - clássicos e emergentes, do analógico ao eletrônico.