menu
Topo
Frequência Modulada

Frequência Modulada

Música, inteligência artificial e um tabu gigante para discutir

Frequência Modulada

19/02/2019 18h18

Fazer música é uma das coisas mais humanas que fazemos, mas nos últimos anos a inteligência artificial entrou em ação para ajudar. Agora, a inteligência artificial está alcançando o processo de masterização, levantando sérios questionamentos sobre a necessidade de especialistas humanos nas áreas mais especializadas da produção musical.

 

Começando por: O que é masterização?

Masterização é o passo final na pós-produção de áudio, e equilibra todos os elementos da música para que soe consistente, independentemente de como você está ouvindo – no Spotify, no iTunes ou em um CD. O objetivo da masterização é tornar a experiência auditiva equilibrada e coesa de música para outra. O processo é uma mistura de ciência e gosto pessoal. Com uma boa mixagem, um engenheiro de masterização fará com que eles entendam o som que você está procurando e o ajudará a chegar lá. Sem masterização, a música ficará mais quieta e menos impactante. Como diz o engenheiro Ian Cooper (que já trabalhou com os gigantes Barry White, Elton John e Iggy Pop), masterização é "um pouco como a fotografia – você pode tornar o céu mais azul, e os verdes mais verdes". E como toda pauta incrivelmente rica de sequências, técnicas e protocolos, entrou no radar da inteligência artificial.

 

"você pode tornar o céu mais azul, e os verdes mais verdes".

 

Como em tudo na vida, a questão financeira

Masterização também pode ser caro. Dependendo da experiência do engenheiro, pode custar de centenas a milhares de dólares por uma única faixa, graças às habilidades pontuais de escuta envolvidas. Esses preços podem quebrar o orçamento de artistas e produtores independentes. 

Mas ao longo dos últimos anos, surgiram opções automatizadas que prometem masterização profissional sem o custo de engenheiros humanos. Algumas delas usam redes de deep learning, que analisam os dados alimentados ao longo do tempo, enquanto outras usam uma cadeia de sinais cuidadosamente elaborada, projetada por um ser humano e implantada em um software. Mas não importa como elas operam, o objetivo é o mesmo: masterização de áudio com alguns cliques.

O Landr é um dos serviços mais populares, hospedado como um serviço da web. Você pode fazer upload da música que deseja masterizar, deixar que o algoritmo de Landr analise-a, escolher entre as três opções para a intensidade com que você deseja aplicar os efeitos e exportar o resultado. É uma abordagem superficial e não exatamente flexível. Se você não está feliz com o resultado que o Landr lhe oferece, você não pode pedir para ajustar o som da maneira que faria com um engenheiro humano, por exemplo. A ArsTechnica, (que tem um trabalho muito interessante de fomentação acerca da tecnologia, gadgets e aplicativos) publicou uma crítica contundente em 2016, chamando o auto-master da Landr de "autoagressão", mas alguns influencers dizem que ele efetivamente faz o trabalho; E em teoria o algoritmo do Landr (como qualquer outro) de fato "aprende" e se incrementa ao passo que cada música é enviada para a plataforma.

"UM ENGENHEIRO MESTRE TRADICIONAL SERÁ SEMPRE A OPÇÃO FINAL"

 

 

Com a tecnologia lançada aparecerem os prós e contras do mercado

Alguns temem que os serviços de masterização através da inteligência artificial eliminem a necessidade de engenheiros humanos, mas o engenheiro londrino Streaky (que já trabalhou com Groove Armada, White Stripes, Usher e Skepta – inclusive, caso você não o conheça…) compara isso com a compra de um terno fora da prateleira. Alguém que se importe muito com a alfaiataria ou com a qualidade do tecido ainda terá um terno sob medida especialmente para eles, mas para muitas pessoas, a opção mais barata faz mais sentido.

A empresa de software iZotope abordou a inteligência artificial com uma lente educacional. A empresa já faz um conjunto de plug-ins chamado Ozone, já bem popular no mercado, e foi adicionado em um Master Assistant inteligente em 2017. O assistente não faz todo o trabalho para você. Em vez disso, te dá um ponto de partida que você pode ajustar ao seu gosto. Dessa forma, os produtores, a partir de um diagnóstico técnico feito pelo software possa ter opções para decidir o que será de fato alterado na sua música. "Não tem nada a ver com competir com humanos", disse um representante da iZotope ao tabloide The Verge. "Para os profissionais medrosos que estão por aí, a tecnologia assistencial minimiza o trabalho demorado de limpeza, para que eles possam aprimorar o lado criativo das coisas."

O fundador da LoveCraft, Adam Love, concordou, dizendo: "Não é um substituto para a mixagem feito por um engenheiro formado. Os engenheiros de masterização podem fornecer feedback ao artista sobre sua mixagem, aprimorar um estilo específico e fazer correções e aprimoramentos mais deliberados. Um humano é lento e metódico, mas sem restrições. A automação é rápida, mas significativamente mais limitada no que ela pode fazer. "

O que resta é uma alternativa acessível para melhorar a música. "Em vez de substituir postos de trabalho ou interromper uma indústria, nos vemos como a criação de um novo mercado, permitindo que as pessoas que atualmente não podem receber masterização de qualidade para finalmente ter a oportunidade de fazê-lo," Collin McLoughlin de eMastered disse ao The Verge. "Para o melhor domínio absoluto, no entanto, um engenheiro de masterização tradicional sempre será a melhor opção."

 

Sem susto: vamos conversar

E até chamamos a atenção para você que, brinca de fazer seus beats no final de semana, ou pra você que está se arriscando no mercado da música e tem pouca (quase nenhuma) grana e fica mandando o link dos seus sons para os amigos: A questão aqui é enxergar que, um trabalho de mixagem e masterização é extremamente importante para a qualidade percebida no produto final e, achar que a opinião de um profissional desse segmento pode ser substituída é de fato um tiro no pé. Não seja essa pessoa. Mas talvez a utilização desses softwares pode de fato, te ajudar a incrementar conhecimento acerca dos passos e complexidade que é o trabalho de tratamento do que você produz no estúdio ou no seu quarto. Te ajuda a crescer como artista.

E também, para jovens profissionais de som, pode ser um bom caminho se envolver em fóruns e equipes de desenvolvimento propostas por essas empresas, para de fato fazer parte da criação e aprimoramento desses softwares – não nos enganemos: todas as profissões serão afetadas pelos recursos tecnológicos, e se tornar um profissional de estratégia com vasto conhecimento operacional é um dos caminhos que estão em torno de todas as profissões. Em algum dia, você trabalhou ou trabalha em um estúdio fazendo unicamente o "feijão com arroz".  Ensinar alguém (humano ou quase) para que passe a fazer isso por você te liberta para criação, quebra de paradigmas, criação de novas técnicas e tendências. E deixamos aqui a simples pergunta, por quê não? Pode ser algo. Chamem na inbox sobre suas opiniões. Até semana que vem. 

 

*Matéria original do The Verge, de janeiro de 2019.

Sobre os autores

Fabio Lafa escreve textos, podcaster, pesquisador musical e consultor em music branding.

Nyack é Dj, pesquisador musical e beatmaker.

Juliano BigBoss é estudioso do marcado do rap, pesquisador, produtor artístico e executivo.

Sobre o blog

Papo semanal e bem descontraído sobre os ritmos que movem cidades. Dicas e mapeamento de cenários musicais - clássicos e emergentes, do analógico ao eletrônico.