Frequência Modulada

Histórico

Novo jazz - será que existe?

Frequência Modulada

07/06/2018 13h02

 

Fase curiosa, a que vivemos. O mercado ao virar os holofotes para onde precisa, começa a retitular coisas. Dando ideia de repaginado, revisitado – que de fato é muito verdade com a maioria dos ritmos musicais mas temos no jazz, a exceção da regra.
A Jazz music é música que pede outros sentidos além da audição. Ritmo cheio de nuances, “difícil” de ouvir, em paralelo às atenções da grande massa como todos sabemos. São constantes as aparições de gente nova, imersas no que acontece nas grandes cidades para dentro da cena do jazz. Prova disso, são alguns artistas “não-novos”, mas de carreira em curso podemos dizer, que trazem uma energia jovem para algo que está aí há 150 anos e contando:

 

Yussef Kamaal – O duo britânico formado pelo baterista Yussef Davis, e o tecladista Kamaal Williams traz um álbum de 2016 intitulado “Black Focus”- carregado na música afro, improvisos e técnica apuradíssima – vale muito o play!

Makaya McCraven – Aqui vamos te fazer um convite. Um cara nascido na França, de pai americano e mãe húngara (ambos de sólida carreira na música também) que desenvolveu sua identidade musical em Massachusetts, nos EUA. Lá mesmo, a mistura de várias influências musicais o conduziu aos flertes com o hip-hop e a alcunha de beat scientist ou cientista de batidas. Confere um trabalho dele de 2015, “In the Moment” – incrível!

Robert Glasper – Esse já é de casa, certo? O pianista vencedor de 3 Grammys traz toda a base adquirida dentro de uma família já ligada à música e nos corais da Igreja Batista para diversos projetos, como o Robert Glasper Trio, que traz elementos do funk e do rap (vide colaborações com Kendrick Lamar) para uma experiência realmente próxima das comunidades afro-americanas. E esteve em São Paulo na edição de 2016 do Nublu Jazz Festival, no SESC Pompeia.

Usamos de exemplo esses 3 artistas apenas como um recorte e, uma continuação de um processo, uma safra de novos artistas que passam pelos mesmos caminhos que Esperanza Spalding e Kamasi Washington por exemplo e, vamos combinar: jazz vem sendo ele mesmo, em 1930 ou hoje – atual. Novo-jazz? Talvez não. O jazz será sempre novo, concorda? Não? Me diga você.

 

 

 

Sobre os Autores

Fabio Lafa escreve textos, podcaster, pesquisador musical e consultor em music branding.

Nyack é Dj, pesquisador musical e beatmaker.

Juliano BigBoss é estudioso do marcado do rap, pesquisador, produtor artístico e executivo.

Sobre o Blog

Papo semanal e bem descontraído sobre os ritmos que movem cidades. Dicas e mapeamento de cenários musicais - clássicos e emergentes, do analógico ao eletrônico.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do FM
Blog do FM
Blog do FM
Blog do FM
Blog do FM
Topo